Confraria
Eventos
Homepage
Entidades
Documentos
Contatos
missao
orgaos sociais
Sócios Honorários
O desconhecimento completo de um facto da história portuense, passado quando reinava D. João Primeiro, dá frequente motivo a que, quando alguém muito esperto pretende zombar de um filho da cidade do Porto, lhe atire desdenhosamente à cara com a alcunha de tripeiro, como se fora o mais ignominoso insulto.

O Portuense, conhecedor do facto ri-se e em vez de manifestar descontentamento por tal alcunha, desnorteia o contendor acceitando-a com legítimo orgulho. Dos nossos comtemporâneos, poucos serão os que não possam de prompto citar o facto histórico, senão em todas as suas particularidades, ao menos pela rama. Não obstante, vamos recordal-lo, um pouco pela satisfação de sermos descendentes d'aquelles honrados portuenses que há 943 annos e um pouco para elucidação dos estranhos que o não conheçam ou dos nossos que o tenham esquecido. Eil-lo: As primeiras expedições guerreiro marítimas que deviam collocar tão alto o nome lusitano e contribuir para o engrandecimento do poderio territorial do paíz pelas terras d'alem mar, já que nas do continente tinham ido até ao extremo as possibilidades d'essa expansão, devem-se às suggestões do infante D. Henrique, filho de D. João I.

Annunciado o aprecebimento da primeira expedição a Ceuta, os burgueses do Porto mal o souberam, não desmentindo a sua fama de audazes e intrépidos, quizeram os primeiros a cooperar no grandioso sonho do infante, e à sua custa, apparelharam uma poderosa armada de mais de setenta embarcações, que em pode sair galhardamente pela barra do Porto fora em busca de glória para a a nação e mais um forão para a coroa real.

Para abastecer tão numerosa esquadra não foi das mais apoucadas a generosidade dos nossos conterrâneos. Não quiz ella que a falta de víveres pudesse crear obstáculos ao bom êxito da aventura. Abateu um enorme numero de cabeças de gado bovino com cuja carne limpa abasteceu prodigamente as dispensas das embarcações, de modo que chegassem para longo prazo, e reservou para a alimentação dos que ficaram os miudos do gado, as tripas, como vulgarmente se lhes chama, com que se cosinha o celebre prato culinario muito apreciado dos portuenses.

Eis ahi a origem do honrosos apodo de tripeiros.
In Revista "O Tripeiro", 1909
Home | Rua do Almada 679, 1º Sala 101 - 4050-039 Porto | ver mapa | Tel: +351 22 200 77 | Fax: +351 22 200 78 68 | Email: geral@confrariadastripas.com